Cursos on-line gratuitos: crescimento da oferta X qualidade de conteúdos

3 minutos para ler

Cursos on-line gratuitos: crescimento da oferta X qualidade de conteúdos

 

O aumento da oferta de cursos on-line gratuitos em meio à Pandemia do novo coronavírus já era esperado. Se por um lado isso significa uma boa notícia, por outro não deixa de gerar preocupações. Embora simples, essa reflexão se reveste de muita lógica: as pessoas em geral estão com “sobra” de tempo, mesmo àquelas que trabalham de casa, devido às medidas de isolamento. Isso provoca uma corrida por atividades que possam preencher esse espaço livre nas agendas e os cursos on-line acabaram mostrando-se uma boa opção. Mas nem tudo são flores, se há uma oferta maior de oportunidades, também, é certo que há muita coisa de baixa qualidade e isso, de pouco ou nada adianta em termos de qualificação curricular.

Em uma publicação recente, a TechRepublic, disse que as pesquisas no Google do provedor de dados SEMrush apontaram um crescimento significativo em buscas on-line por:

Educação on-line gratuita, + 247%

Cursos de marketing de negócios on-line, + 54%

Curso gratuito de SEO, + 52%,

Cursos de marketing on-line, + 49%

Cursos de negócios on-line, + 49%

Profissionais de tecnologia concordam que há um vasto campo a ser explorado no segmento de educação on-line. As possibilidades incluem cursos profissionalizantes e, também, de aperfeiçoamento profissional. As plataformas oferecem aulas gratuitas on-line com a promessa de aprimorar algumas de suas habilidades.

Mas segundo a publicação, o SEMrush indicou que Brainpop, Coursera, EdX, Khan Academy e Socratic, foram os cursos educacionais que mais cresceram em abril. O aumento de tráfego em todos eles, foi superior a 50%. Também tiveram procura extraordinária, os cursos on-line de Harvard, Yale, Tesda e Coursera, pois de acordo com a mesma publicação, tiveram um crescimento em torno de 1.000% conforme pesquisa de cursos feitas durante a quarentena. Também tiveram bom desempenho os cursos da área de tecnologia para Excel, Ciência da Computação, Python, Codificação e Programação, com crescimento de 100% na pesquisa. Outras variantes populares incluem desenvolvimento web e segurança cibernética, revela a publicação.

Em que pese todo esse crescimento, segundo alerta da CEO da BeMaker Indústria Criativa, professora Adriane Möbbs, é importante pensar na qualidade dos conteúdos oferecidos. “Há uma grande quantidade de cursos sem qualidade. É interessante, lógico, aproveitar o tempo livre para se qualificar e aprimorar habilidades. Mas desde que essa oportunidade venha com a qualidade necessária para torna-lo competitivo aos olhos do mercado de trabalho”, adverte.

Para a professora, as pessoas não devem jamais perder de vista que tempo também corresponde a investimento. “As oportunidades são gratuitas. Mas se os conteúdos não atendem a qualidade esperada, há desperdício de tempo, dedicação e empenho. Enfim, todo um esforço que poderia ser direcionado para outras atividades com real potencial agregador de conhecimentos que podem ser a diferença na hora de disputar uma vaga no mercado de trabalho. Não devemos nos contentar com menos, nem mesmo quando não aplicamos dinheiro”, reforça.

Na visão de Adriane, as empresas precisam lidar com isso com responsabilidade, oferecendo oportunidades gratuitas e de qualidade para as pessoas que buscam superar desafios nesse período de quarentena. “Tem todo um lado humano aí que precisa ser percebido. Não é porque você está ofertando gratuidade que irá empurrar qualquer coisa para as pessoas. Existe toda uma expectativa acerca de uma nova conduta social. Quiçá todos tenham mesmo esse compromisso”, conclui.

Você também pode gostar